Festa de Nossa Senhora de Lourdes

Postado em

 

Anúncios

SEGUNDO DIA DA FESTA DE NOSSA SENHORA DE LOURDES

Nota Postado em Atualizado em

Missa celebrada pelo Padre Paulo Alves da Paroquia Santa Tereza de Calcutá-Bairro PTB-Betim-MG

PRIMEIRO DIA DA FESTA DE NOSSA SENHORA DE LOURDES-2019

Nota Postado em

Iniciou ontem as festividades do Tríduo e Festa de Nossa Senhora de Lourdes. Às 19h30 foi celebrada a primeira missa, presidida pelo Padre Evaldo Apolinário, pároco da Paroquia Dirino Pai Eterno em Betim.

MISSA DOS 50 ANOS DE PRESENÇA MISSIONÁRIA DO IRMÃO HERBERT NO BRASIL

Nota Postado em Atualizado em

Foi celebrada hoje dia 21/04/18 uma Missa em Ação de Graças pelos 50 ano de presença missionaria do Irmão Herbert, no Brasil.

A comemoração contou com a presença do Governo Geral da congregação e dos irmãos das outras comunidades.

 

Missão Vocacional 2017

Nota Postado em Atualizado em

 Durante os  dias 21 a 30 de julho de 2017 aconteceu na cidade de Montalvânia, no norte do estado de Minas Gerais, a missão vocacional promovida pela Congregação dos Irmãos de Nossa Senhora de Lourdes em parceria com a Congregação das Irmãs Hospitaleiras do Sagrado Coração de Jesus.

Seguei a baixo a galeria de fotos:

 

 

 

O Papa Francisco tem sido claro em destacar a “obrigatoriedade” do amor fraterno para com todas as pessoas, caso se queira ser autêntico na fé cristã e não apenas cristão da boca para fora. E o papa não está inventando absolutamente nada: foi ninguém menos que Jesus Cristo quem fez questão de declarar esta obrigatoriedade com toda a ênfase ao afirmar que até mesmo aos inimigos nós devemos amar e perdoar “setenta vezes sete” – expressão que quer dizer “sem limites”. Do contrário, pergunta o próprio Cristo, que mérito teremos? Isto significa que nenhum cristão tem o direito de julgar e muito menos condenar o próximo. Nenhum. A ninguém. A própria Igreja se declara incapaz de julgar o que há no coração e na consciência de quem quer que seja: e ela afirma esta impossibilidade claramente na célebre fórmula “De internis neque Ecclesia” (pronuncia-se “de intérnis nékue Eklésia”), ou seja: “Sobre as realidades internas, nem sequer a Igreja (pode julgar)”. Somente Deus conhece o que há no interior de cada consciência e somente Ele pode (e vai) nos julgar. Existe uma grande diferença, no entanto, entre julgar uma pessoa e julgar atos específicos praticados ou omitidos por uma pessoa. Embora seja humanamente impossível julgar as intenções, é perfeitamente possível julgar um ato ou omissão concretos e declará-los moralmente bons, maus ou neutros. Afinal, assim como é uma verdade básica da fé cristã que só Deus perscruta o íntimo dos corações e só Ele pode julgar as consciências, também é uma verdade básica da fé cristã que Deus é Bondade, Verdade, Beleza e Unidade Absoluta – e se Deus é a Referência do que é bom, verdadeiro, belo e uno, isto significa que existe, objetivamente, um parâmetro absoluto de bondade, verdade, beleza e unidade. Dito de outra forma, a verdade, a bondade, a beleza e a unidade não são relativas, como pretende a “elasticidade ética” da contemporaneidade laica, incoerente e ilógica na própria formulação de que o relativo possa ser parâmetro de alguma coisa. É o caráter absoluto da Verdade, da Bondade, da Beleza e da Unidade o que constitui a base da moral. Como dizer que algo é bom se não existe A Bondade? Não se pode julgar uma pessoa porque não se sabe o que há em sua interioridade, mas pode-se julgar o que ela faz, diz ou deixa de fazer e dizer, já que o seu agir é patente. No cristianismo, esta lógica se traduz na máxima “Odiar o pecado, mas amar o pecador”. E é nesta lógica que muitos cristãos escorregam, confundindo pecador e pecado e julgando/condenando não atos ou omissões concretos, e sim pessoas, odiando-as em vez de amá-las.

Nota Postado em Atualizado em

Uma diferença crucial, que até hoje muitos cristãos ignoram: julgar algo é possível; julgar alguém, não

fariseu2

O Papa Francisco tem sido claro em destacar a “obrigatoriedade” do amor fraterno para com todas as pessoas, caso se queira ser autêntico na fé cristã e não apenas cristão da boca para fora. E o papa não está inventando absolutamente nada: foi ninguém menos que Jesus Cristo quem fez questão de declarar esta obrigatoriedade com toda a ênfase ao afirmar que até mesmo aos inimigos nós devemos amar e perdoar “setenta vezes sete” – expressão que quer dizer “sem limites”. Do contrário, pergunta o próprio Cristo, que mérito teremos?

Leia o resto deste post »

Missão Vocacional 2016

Nota Postado em Atualizado em

Nos dias 28 e 29 de 29 de maio de 2016 aconteceu na paroquia São Judas Tadeu na cidade de Esmeralda  á missão vocacional promovida pela  Conferência dos Religiosos do Brasil (CRB).